Vinícola
COMPLEXO ENOTURÍSTICO ALTO DAS NEVES - III ROCCE
complexo enoturístico
Ano de projeto: 2019  
Área: 9.394,79m² 
Localização: Vale dos Vinhedos | Bento Gonçalves | RS | BR
Equipe de projeto: Arq. Alexandre R. Prass, Arq. Bruno de A. Carneiro, Arq. Filipe S. Santos, Arq. Miguel del Río, Arq. Renata P. Beck.
Colaboradores: Acad. Rafael Guadagnini, Acad. Renata Saffer, Acad. Vitória kempfer, Acad. Thomas Weirich, 
Imagens: Kadstudio; Thomas Weirich
Participaram conosco neste projeto: F'LUXO Exclusive, Fernandes Machado Business Law, Gnatta Imoveis, Gestão Empresas, Weber Contabilidade. 

IMPLANTAÇÃO

O Complexo está inserido em um lote de aproximadamente 11ha, de formato retangular, com 100m de frente e 1,1 km de extensão. A topografia acidentada ascende 90m a partir do acesso e na metade do terreno inicia um declive de 70m até o limite de fundos da propriedade. Estas condicionantes de linearidade e ondulação topográfica, somados a integração das edificações no terreno e a valorização da paisagem do Vale dos Vinhedos, foram os elementos que estabeleceram a implantação do programa no Complexo.

Composto por cinco edificações, o projeto leva em consideração as peculiaridades de cada programa e suas relações individuais com a paisagem para determinar suas implantações. Vinícola, Vinho Bar e Restaurante foram localizados na parte superior do terreno, formando um arco em direção às visuais, enquanto o Hotel e a Capela estão localizados mais ao fundo, primando pela privacidade.

A materialidade do conjunto, pedra, madeira e concreto, tem o propósito de integrar-se nas tonalidades da paisagem e fazer uma releitura das construções tradicionais da região que formam a identidade do Vale dos Vinhedos.

 A VINÍCOLA

Primeira edificação do conjunto de empreendimentos que formam o Complexo Alto das Neves, a Vinícola III Rocce é inspirada nas paisagens da Serra Gaúcha. 

Os três grandes e marcantes volumes de concreto, que brotam do solo como rochas que surgem dos morros da região, são abraçados por uma generosa esplanada e conformam o espaço de entrada que dá acesso ao Hall, à Loja, às Adegas Privativas e aos Espaços de Degustação. A produção, completamente enterrada e acomodada à topografia original do terreno, é invisível aos olhos, sendo descoberta somente através dos percursos sensoriais de visitação. 

Concebidos em concreto, madeira, pedra e vidro, os espaços construídos são adequados à paleta de cores da paisagem, evidenciando técnicas e materiais construtivos presentes nos processos vernaculares de construção da região. Internamente, os diferentes espaços e usos são caracterizados por distintas materialidades, atingindo a sofisticação necessária aos espaços do pavimento térreo, dos demais setores de produção industrial e armazenamento. 

O projeto se estrutura a partir dos percursos de visitação, buscando evidenciar experiências sensoriais de imersão no processo de fabricação de espumantes. A partir da praça de acesso, encontra-se o pavimento térreo - único aflorado, composto por Hall, Loja, Adegas Privativas, Administração e Degustações. A partir dele, dá-se o acesso aos subsolos de produção. Com um percurso que se inicia através de passarelas e pupitres, o usuário descobre os diferentes momentos da produção através de enquadramentos diferenciados dos espaços internos. Ao longo do caminho, percorre as caves, barricas, tanques de fermentação, laboratório do enólogo e degorgement, sempre circundado por espaços confortáveis para experiência entre vinhos e espumantes.